Porque votamos na Dilma!

27. O silêncio que pesa, por Romulo André Lima

Posted on: outubro 22, 2010

  • In: Sociedade
  • Comentários desativados em 27. O silêncio que pesa, por Romulo André Lima

Houve três tipos de votos em Marina no primeiro turno. O primeiro foi o voto do eleitor descrente no jogo político e relativamente alheio ao debate eleitoral. O segundo foi o do eleitor legitimamente preocupado com as causas ambientais. O terceiro foi do conservador não extremado que não encontrou nenhum bom motivo para votar em Serra (que seria seu candidato natural) e precisava de uma desculpa (um candidato-álibi) para disfarçar o preconceito de votar em Dilma e no PT. 

O primeiro voto não é tão surpreendente. Heloísa Helena, em 2006, obteve, à luz do escândalo do mensalão, 6% dos votos muito em conta de um discurso moralista de fim da corrupção. O aparecimento de um terceiro candidato com fôlego para somar 10, 15 ou até 20% dos votos pode ser considerado um resultado natural considerando um ambiente eleitoral desgastado por escândalos e um pleito em que as duas propostas com mais apelo diferem, para esse eleitor, mais visivelmente apenas pela habilidade de construir candidatos-mercadorias. A comparação FHC x Lula, que deixaria claro ao eleitor que não faz sentido votar em Serra, foi parcialmente encoberta pelo denuncismo da imprensa conservadora, com impacto principalmente sobre a classe média. Uma terceira opção, por essa ótica, funciona como válvula de escape contra a vulgarização crescente do debate político. O eleitor que considera superado o debate político nos termos tradicionais, que não acredita nem na direita nem na esquerda, aposta em uma pseudo-renovação com um partido, uma causa e uma candidata que se dizem “acima da política”.

O segundo voto é compreensível à luz da crescente ênfase dada por diversos setores da sociedade às questões de preservação ambiental, que alcança diversos setores da sociedade. Se a ética verde é dotada de uma efetividade passível de resolver os problemas de degradação da natureza no mundo capitalista ou se é suficiente como discurso político para aplacar a miséria social em que vive boa parte do planeta, isso é outra conversa. A legítima preocupação com a natureza angariou para a Marina uma parcela de eleitores que adota esse ponto de vista, mesmo não o relacionando de maneira aprofundada com o restante das questões políticas, econômicas e sociais.

O terceiro voto é o mais curioso. O eleitor da direita não extrema, confrontado com os êxitos da administração petista frente aos resultados da era FHC, não encontrou meios para refutar a superioridade de Dilma sobre Serra (ou de Lula sobre FHC). Como votar no candidato descendente de um governo que terminou com aprovação popular na casa dos 30% contra a candidata sucessora de um presidente com mais de 70% de aprovação? Comparando os resultados econômicos dos períodos Lula e FHC, não há escolha lógica para o eleitor que se apega a esses dados que não o voto em Dilma. Mas como votar na Dilma, no PT, na esquerda? Isso seria uma violência para a mente confusa do pobre eleitor conservador. Marina surge então como salvação. Impossível de ser posta na comparação FHC x Lula, ela se torna a alternativa possível. Afinal, Serra, que seria o candidato natural desse eleitor, nem de longe é um candidato que entusiasma: antipático e sem nenhum diferencial político significativo capaz de suplantar o sucesso de Lula e a promessa de continuidade com Dilma.

É claro que os três motivos principais se entrecruzam e se potencializam mutuamente. Mas o mais impressionante é como isso foi instrumentalizado pela direita do microfone, a grande mídia. Depois de um mês de ataque constante à candidatura da Dilma por conta de escândalos de corrupção, o jornal O Globo passou a última semana antes do primeiro turno promovendo o debate entre Marina e a candidata do PT. Fiquei confuso: por que pararam de bater em Dilma e promover o Serra, justamente na última e decisiva semana? Com todos os malabarismos acusativos feitos pelos principais meios de comunicação do país, Dilma caíra no máximo 2 pontos em todas as pesquisas de intenção de voto. Era evidente que a estratégia diretamente pró-Serra estava esgotada. A solução? Depois de tirar todos os votos possíveis de Dilma para Serra, a imprensa resolveu instigar a transferência de votos de Dilma para Marina, que não tinha a menor chance de passar para o segundo turno. Surgiu com força a questão do aborto, a expressão “onda verde” e alcunha de “maior vitoriosa do primeiro turno”, dada à candidata verde após a votação. A candidatura de Marina foi inflada quando não havia tempo hábil para ultrapassar Serra. Marina, que já não tinha nenhuma chance de ficar em segundo lugar, foi usada pela direita para que houvesse segundo turno. Foi usada com o mesmo espírito com que a candidatura de Lula foi instrumentalizada nas eleições de 1989. Se o candidato mais perigoso para a direita na época era Leonel Brizola (considerando o peso de sua figura na história política brasileira pré-durante-pós-ditadura), abrir espaço para a candidatura petista era necessário de acordo com o raciocínio “ele é o mais fácil de derrotar”. Brizola, que sempre foi uma pedra no sapato da Globo, foi o mais difamado antes do pleito. Deixou de ir para o segundo turno por uma diferença mínima e não obteve o pedido de recontagem dos votos (que eram feitos manualmente). Lula, por sua vez, com sua tradicional característica de não fazer política com o fígado, foi beijar a mão dos Marinho logo depois do impeachment do Collor.

Dois pontos ressaltam desse quadro. Primeiro, as eleições passam, mas a imprensa continua usando os mesmos artifícios para impor os interesses particulares de uma minoria sempre privilegiada sobre a sociedade como um todo. Segundo, se Marina não declarar apoio a Dilma, enterrará sua credibilidade junto à esquerda e estará prestando um grande desserviço político ao país. Fico pensando se ela, tradicionalmente ligada a movimentos sociais e aos anseios das camadas mais pobres, está sentindo algum peso na consciência por ainda se manter calada diante de toda a campanha conservadora da imprensa pró-Serra.

 Impedir o retorno do PSDB/DEM, evitando o reposicionamento da velha direita, e garantir a vitória de Dilma contra todos os esforços da imprensa manipuladora e preconceituosa, porta-voz dos segmentos conservadores, serão as maiores conquistas dessa eleição.

Romulo André Lima, 25 anos, doutorando em economia

Anúncios

  • Nenhum
  • João: Caro, Mildred. Obrigado pelo comentário. Os textos aqui publicados são baseados em nossas experiências e percepções da realidade. Para esta p
  • Mildred: Não tenho 'medo' de democracia, mas sim da HIPOCRISIA praticada pelo PT que sempre se colocou contra todos os erros e falcatruas do restante dos par
  • Leon Unger: Soi cineasta, o blog que inseri se refere ao filme atual que estou trabalhando. Mas con relação ao seu post, mesmo com os incentivos que existem pa
%d blogueiros gostam disto: