Porque votamos na Dilma!

23. Depoimento de Suely Rolnik. Reflete a impotência frente ao monopólio da informação

Posted on: outubro 21, 2010

  • In: Economia e Desenvolvimento
  • Comentários desativados em 23. Depoimento de Suely Rolnik. Reflete a impotência frente ao monopólio da informação

Caros,

Vale a pena ler o excelente e corajoso texto que Maria Rita Khel publicou em sua coluna no Estadão na véspera do primeiro turno. Para os que não sabem, a publicação deste texto causou sua
demissão do jornal. A censura (do tipo velhos métodos, não tão longínquos quanto gostaríamos), teve como objeto o simples fato de uma jornalista (diga-se de passagem, de alta respeitabilidade, também como intelectual e psicanalista) ter ousado expressar uma mínima parcela do que todos nós temos obrigação de pensar, face à situação perigosamente perversa que vem se apresentando nestas eleições.

Ao que ela escreve, eu acrescentaria que não podemos bobear de agora até o segundo turno (pelo menos). Estejamos alertas aos estragos provocados pelo monopólio da informação em nosso país (o tal PIG: política de informação golpista), que expressa os interesses de apenas uma parcela mínima da população, profundamente bichada por subjetividades tacanhas. Um monopólio que convoca o que temos de mais reativo: a memória colonial e escravocrata inscrita em nossos corpos de classe média e elite brasileiras, amputada de sua dimensão de vida pública, intoxicada de preconceitos de classe e de raça, etc., etc.

Sintomas de um narcisismo ancestral, que se aterroriza face à desestabilização de nossos contornos, causada pela pulsação da alteridade em nossos corpos; um terror que projetamos sobre nossos
(não tão) outros com nojo, ódio e desprezo (mesmo quando, no melhor dos casos, este sentimento se transveste da inofensiva e estéril bondade politicamente correta). São estes microfascismos que estão
subindo à superfície midiática sem disfarce, sem o menor pudor e cada vez mais violentamente. O buraco de onde emergem estas forças reativas está bem mais embaixo do que o simples ódio ao PT ou à Dilma. Este é apenas sua atualização mais explícita no momento. E é isto o que nos deixa indignados e, sobretudo, nos assusta.

Ativemos nosso senso de responsabilidade na construção da realidade (que nada mais é que nossa responsabilidade perante a vida), senso tão debilitado na história que nos constitui. Não podemos responsabilizar um candidato ou um partido pela corrupção que certos “elementos” do mesmo possam ter cometido, senão teríamos que responsabilizar todos aqueles que participam ou participaram do Estado brasileiro, desde a fundação da República (o que aliás funda o triste argumento, bastante
comum em nosso país, de que todos os políticos são igualmente corruptos e oportunistas, e que a política não tem outro sentido, senão o de servir os interesses desta corja). É ridículo cairmos neste
argumento da mídia, que explora a despolitização doentia de nosso país. Tampouco podemos decidir nosso voto em função de nossa simpatia ou antipatia por este ou aquele candidato, mas sim em função de nossa maior ou menor identificação com um projeto político e de nosso desejo de que este projeto se imponha na condução de nosso destino, a cada momento que nos é dada a possibilidade de escolha.

Não estou me referindo a projeto político no sentido de um puro blábláblá retórico e/ou ideológico, mas daquilo que, de fato, se traduz na ação de um partido. Votarei na Dilma baseada naquilo que o
governo regido pelo PT sob a presidência de Lula realizou neste 8 anos.
Sabemos dos grandes avanços conquistados, seja por nossa própria participação direta ou indireta nas diferentes ações levadas nas áreas da educação, saúde, cultura, economia, etc., seja pela participação de amigos ou amigos de amigos (já que não temos quaisquer outros meios de informação). Foram muitas, mas muitas mesmo, as pessoas que vararam noites e mais noites, anos a fio, para fazer mover o mais que pudessem o estado de inércia patológica do pensamento em nosso país pós-ditadura, de modo a abrir espaços inéditos de exercício democrático, na reinvenção permanente de nossas existências individual e coletiva, em função do que a vida nos indica e nos exige.

Infelizmente, a grande maioria não tem acesso a estas informações, exatamente em razão do poder absoluto do tal PIG no Brasil (aliás, nesse aspecto, nosso país se distingue de quase todo o resto do
planeta, a começar por nosso próprio continente). Muitos de nós nos angustiamos com esse monopólio descarado da informação que tem emporcalhado de microfascismos as páginas dos jornais e revistas e a tela das TVs, mas na hora H as forças reativas tendem a vencer em nós mesmos, talvez por nossa incapacidade de lidar com o que nos causa tamanho desconforto com a situação atual, um desconforto que, inclusive, traz à tona a memória do trauma da ditadura, que até hoje não conseguimos sequer começar a elaborar. É patético, por exemplo, deixarmos passar a operação sinistra do pior de nossas elites, via mídia, que transforma a resistência à ditadura em coisa de vagabundo e assassino (o que é mais espantoso ainda, quando esse tipo de argumento é usado para a campanha eleitoral de um candidato que tem um “passado de esquerda” e o reivindica como parte de seu show) . Morro de
vergonha!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Bem é um desabafo. Espero contar com muitos outros ousando pensar e agir contra esta situação, como vem ocorrendo pelo menos via internet, esta zona franca que escapa por todos os lados ao confinamento imposto pelo PIG.

Abs,
Suely

Suely Rolnik é psicoterapeuta e critica de arte de renome internacional. É membro do centro de pesquisas da subjetividade da PUC-SP

Anúncios

  • Nenhum
  • João: Caro, Mildred. Obrigado pelo comentário. Os textos aqui publicados são baseados em nossas experiências e percepções da realidade. Para esta p
  • Mildred: Não tenho 'medo' de democracia, mas sim da HIPOCRISIA praticada pelo PT que sempre se colocou contra todos os erros e falcatruas do restante dos par
  • Leon Unger: Soi cineasta, o blog que inseri se refere ao filme atual que estou trabalhando. Mas con relação ao seu post, mesmo com os incentivos que existem pa
%d blogueiros gostam disto: